Reportagens

Chegamos!

O dia 9 de março, embora controverso, como mostramos em nossa reportagem de estreia, é simbólico para os joinvilenses. É neste dia que nasce em Joinville uma nova alternativa em jornalismo para a comunidade, uma opção para aprofundar o debate sobre o que acontece em Joinville. Nasce, após dois meses de trabalho, o Paralelo Jornalismo.

O Paralelo surgiu não apenas da vontade de duas repórteres que buscam um outro olhar sobre a vida em Joinville, mas também foi se desenhando num contexto em que o jornalismo se transforma constantemente, em um cenário que abre brechas para visões e discursos que fazem uma curva distinta das já conhecidas pela população a partir dos grandes meios de comunicação.

Com uma linha editorial voltada à defesa dos direitos humanos e acreditando na educação para a cidadania, o Paralelo enxerga o jornalismo como ferramenta de transformação social e aposta nesse poder para colocar sob os holofotes aqueles que muitas vezes estão à margem. Aposta nesse potencial transformador para levantar debates acerca de tudo aquilo que afeta diretamente a comunidade joinvilense, provocando desta forma a reflexão que impulsiona toda e qualquer mudança.

A proposta do Paralelo é diferente de um jornal diário ou portal que trabalha voltado à agilidade, à factualidade. Aqui você encontrará uma linguagem diferente não apenas na forma pela qual a reportagem é construída e divulgada ao leitor, mas em sua construção ao longo de todo o processo. O Paralelo não busca “competir” com outros portais. Ao contrário, o objetivo é somar e oferecer ao público um lugar a mais, um lugar que acrescente outro olhar, possibilitando assim subsídios para um debate plural. Para isso, o foco do Paralelo está no aprofundamento dos temas que permeiam a vida dos joinvilense, seja na segurança, política, esporte ou cultura. Inicialmente, vamos publicar duas reportagens semanais, e buscamos a interação com nossos leitores para sugestões, denúncias e críticas. Acreditamos que só assim é possível construir esse jornalismo que nos move, o jornalismo que, além de informar, soma, edifica, transforma a vida da população e o meio em que se estabelece.

Por que Paralelo Jornalismo?

A escolha de uma identidade visual sempre causa curiosidade. E este processo foi, para nós, de autoconhecimento, de nos enxergar em uma marca, fazendo com que ela represente aquilo em que acreditamos.

Nosso objetivo é agregar e não tornar nosso jornalismo uma competição com outros espaços de comunicação e discussão, até porque temos consciência do desafio de fazer jornalismo com uma equipe pequena e poucos recursos. Joinville passa por um momento delicado no que diz respeito ao universo da comunicação, especialmente, do jornalismo. Este momento possibilita o que já pode ser observado em todo o país: a criação de iniciativas independentes, com uma visão distinta dos mercados tradicionais de comunicação. Buscando somar com outros trabalhos independentes já criados na cidade, o Paralelo nasce para possibilitar uma visão a mais e fomentar o debate sobre a nossa cidade. Nosso caminho, que começa agora e no qual ainda estamos dando os primeiros passos, é uma estrada paralela à todas as outras que os mais diversos meios de comunicação e iniciativas jornalísticas trilham. É dessa forma que acreditamos ser possível transformar o meio em que vivemos, somando e, dessa maneira, possibilitando discussões relevantes que caminhem para ações concretas.

O simbolismo de nossa identidade visual é aquilo que temos como primordial para a construção do jornalismo que acreditamos: liberdade. Assim como o dente-de-leão que nos representa na marca ganha os ares, enxergamos o jornalismo independente com essa capacidade, a de se libertar de qualquer amarra e atingir a todos, sem qualquer pré-conceito ou limitação. Para nós, a liberdade de criação fundamenta nossa forma de fazer jornalismo pautado em direitos. De todos.

O profissional responsável pela criação da identidade visual também é joinvilense. O designer Cleiton Schier fez nascer a identidade que traduz a forma com que o Paralelo vê e faz jornalismo.

O jornalismo independente precisa de seus leitores

Há uma pergunta recorrente quando se fala em fazer jornalismo independente: como sobreviver em um mercado que passa por dificuldades tendo como concorrentes grupos já consolidados?

O jornalismo independente não caminha apenas com as próprias pernas, mas com o auxílio da comunidade que nos lê. Somente com a colaboração dos leitores é possível criar e manter espaços de discussão que não estejam presos a grandes grupos. Não apenas no que diz respeito aos recursos financeiros, mas também ao envolvimento editorial.
Para que possamos continuar em nosso caminho paralelo aos demais canais de comunicação, contamos, inicialmente, com a colaboração financeira da comunidade. Para isso, aqueles que se identificarem, se enxergarem na maneira como o Paralelo traz à luz os temas que envolvem Joinville, podem doar o valor que julgarem justo através do PagSeguro. O método escolhido procura facilitar as doações, pois o sistema permite diversas modalidades de pagamento. Além disso, a transparência é fator fundamental na maneira de trabalhar do Paralelo. Desta maneira, manteremos os leitores atualizados em relação aos valores recebidos, que serão utilizados para custear as despesas de produção das reportagens, como transporte, equipamentos e demais serviços utilizados durante a construção do conteúdo.

Como nasceu e quem criou o Paralelo?

As idealizadoras são repórteres formadas pela Associação Educacional Luterana Bom Jesus/Ielusc e que trabalhavam, até o dia 30 de dezembro de 2016, no jornal Notícias do Dia, que deixou de circular no último dia daquele ano e fechou as portas de sua redação em Joinville. O Paralelo Jornalismo surge da necessidade de mais um palco de debate sobre os rumos da cidade, mas também da vontade de continuar trabalhando em uma cidade que, atualmente, tem fechado as portas aos trabalhadores desta área.

Esse foi o empurrão que faltava para a criação de um projeto que estava na gaveta desde a faculdade. Com visões em comum sobre o fazer jornalístico e os rumos que o jornalismo tem tomado, as repórteres Adrieli Evarini e Juliane Guerreiro tiraram a poeira do projeto e trabalharam durante os dois primeiros meses do ano para criar o Paralelo, que nasce neste 9 de março de 2017.

Chegamos, Joinville!

Comentários

comentário

Categorias
Reportagens